publicidade

No Arapuan Verdade: Germana Wanderely fala sobre sua campanha, incentiva mais mulheres na política e prega o fim das perseguições


Candidata a Deputada Estadual Germana Wanderley (Solidariedade), concedeu entrevista ao programa Arapuan Verdade, na Arapuan FM Patos na manhã desta terça-feira (30). Apresentado pelo jornalista Isaías Nóbrega o radiofônico que é líder no horário abriu espaço para uma conversa de meia hora com a candidata que discerniu sobre alguns temas importantes que vem apresentando nesta campanha, rumo a assembleia legislativa. Na sua apresentação, Germana afirmou que desde cedo é uma agente política e fez referências aos trabalhos que desenvolveu ainda na adolescência, 

“Desde cedo meu coração pulsa com vontade de servir e de ajudar, há mais de 22 anos que atuo na política, pois tenho a política como a arte de fazer o bem. Em Recife-PE quando ainda adolescente participava Ronda Noturna, projeto para distribuição de sopa, para famílias carentes. Sempre disse que não há lugar perigoso, quando se está levando o bem. Sou formada em Direito, escolhi o curso de direito, para abraçar a luta do ser humano e por ser indignada com as injustiças sociais”, disse a candidata. 

Sobre seu casamento com o hoje Deputado Estadual Dr. Érico Djan (MDB) e sua família Germana mostrou como e porque escolheu a cidade de Patos, para residir. 

“Eu conheci Dr Érico, temos dois filhos, escolhi Patos para morar, ao lado da minha família, por se r uma cidade encantadora, que amo de coração e aqui quero firmar e preservar minhas convicções. Sou aquela menina que cresceu dentro movimento estudantis, projetos sociais e segue na luta, abraça a missão da política. Hoje sou mulher pronta determinada e corajosa a servir Patos e a Paraíba para melhorar”, cravou Germana. 

Falando sobre suas experiências em atividades administrativas, Germana exemplificou as passagens pelo Hospital Infantil e Maternidade. Ela criticou a falta de liberdade que as vezes, os funcionários enfrentam, em virtude da perseguição política.  

“Vivenciei algumas experiências como gestora, Hospital Infantil, com 380 funcionários, mais de 55 municípios atendidos, implantamos um trabalho humanitário, com funcionários e pacientes. Por já carregar no coração a vontade de fazer o bem e servir. Dessa forma praticar a política do Bem, encabeçado pelo meio tio Cabeção e por Dr Érico. Pra ticar a boa política, sem perseguição, sem obrigar funcionários a ouvir qualquer partido e ou evento que seja obrigado a está presente. Sempre  preguei o respeito ao ser humano e ao profissional.

Espero que o estado implemente políticas de respeito e valorização dos funcionários, sem promessas em ano de eleições. Meu desejo é que o povo entenda que tem direito, não precisa mendigar a ninguém o que é seu de direito. Precisamos respeitar a dignidade de cada um, e é por isso que estamos nessa batalha”, pontuou ela. 

Ela deu detalhes de suas visitas pela cidade de Patos 

"Encontrei uma senhora que teve a casa incendiada, sem ninguém chegar até ela, falta de infraestrutura, falta exames, ultrassom, falta remédios, requisição de mamografia. No centro bandeiras tremulando como se tivesse tudo indo muito bem obrigado. Dr. Érico segue fazendo política do seu jeito, a arte de fazer o bem, somos gratos e vamos honrar cada vez mais o povo de Patos".

Questionada sobre a participação das mulheres na política atual, Germana não se furtou em dizer que lugar de mulher é onde ela quiser, e principalmente se for na política. 

“Precisamos nos apropriar dos espaços de decisões de onde sai política pública, ainda enfrentamos preconceito e dificuldade, mercado de trabalho mãe que deixa seu filho com seis meses, para voltar as atividades, que enfrentam preconceito pela gravidez, antes da contratação. Essa inclusão delas no mercado; precisamos introduzir trabalho, profissionalizar essas mulheres essas mamães que precisam ficar em casa. Falta a gente avançar muito nisso, porém vamos brigar por esses avanços. Dos 36 deputados estudais, apenas seis são mulheres, e eu conto com vocês mulheres pra mudar essa realidade”, conclamou ela. 

Antes das considerações finais, Germana Wanderley criticou os frequentes feminicídios, defendeu criação de centros para atender mulheres violentadas. mulher. Falando sobre cidadania e serviços em Patos, para ela inaceitável que grupo político seja o “dono” da casa da cidadania, do ponto de vista moral, legal em todos os aspectos. 

Finalizando suas palavras, ela fez um apelo a população de Patos e Região. “Me permita entrar na sua casa, eu quero dizer a você que tem uma mulher de coragem, comprometida, destinada a melhorar nossa saúde, nosso sertão nosso estado. Eu digo com certeza, vou honrar cada um de vocês”.


Da Redação Sertão Político 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.